Páginas

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Cap. 23 - Um dia de domingo




O sol estava inspirador naquela manhã. Apesar do pouco tempo que tínhamos, sempre dava pra dar uma rápida escapada e observar aquela incrível dupla no horizonte. Apenas os dois, o Sol e o Mar, e mais nada. Me peguei olhando para a janela de uma das cabines externas quando um passageiro me chamou no corredor. Aquele dia eu havia acordado mais cedo, afinal uma sessão lotada no Deck 2 com certeza teria muita coisa pra fazer e resolver. Dito e feito.
O passageiro me solicitou mais uma vez no corredor, fui ver o que estava acontecendo. Lhe deu bom dia, ele logo respondeu:
- BOM DIA? Como posso ter um bom dia com isso do jeito que ta?
Fomos até a cabine dele e percebi o motivo do mau humor. O carpete estava todo úmido, ele jogou as toalhas no chão para poder pisar no carpete. Me desculpei e fui reportar ao supervisor do andar. Era a primeira vez que eu ia trabalhar diretamente com o Bucho, o supervisor bebum responsável pelos decks inferiores. Ele nem respondia o chamado. Já vi que aquela semana seria bem difícil de trampar. Tentei acalmar o passageiro, mas ele gritava no corredor. A vontade mesmo era de mandar ele tomar bem no meio daquele lugar, mas nessa hora temos que contar até 10, respirar fundo, soltar um sorriso simpático e tentar resolver o problema o mais rápido possível. Se caso o supervisor demora a responder, pode ligar direto na recepção e fazer a solicitação de manutenção/troca de cabine diretamente por lá. Foi o que eu fiz. Isso tomou meu tempo e eu não tinha limpado nem 1/3 da minha sessão.
Aquele dia, ainda bem que era navegação, eu parei de trabalhar quase às 16 horas da tarde. Eu tava guardando o carrinho de toalhas quando ele passou. Rapaz moreno, corpo escultural, sorriso lindo e além de tudo era super simpático além de tudo. Só havia um problema, ele namorava.
Na falta de cabines para a tripulação, alguns funcionários do navio acabam pegando cabines de passageiros mesmo. Óbvio que essa regalia nunca era dada pra galera do trampo de verdade. Eram os Staffs que tinham essa bendita sorte. Aconteceu isso no Soberano, e os dançarinos estavam ocupando as cabines de passageiros no deck 2. Então era bem provável que eu o veria todos os dias. O nome dele era Edson. A gente já tinha trocados olhares e conversado, e trocado alguns beijos, mas ainda eu tava com o meu ex na cabeça e me dava uma “bad” quando ficava com outro cara. Perdi várias oportunidades  por me privar. Mas a partir do Edson comecei a me permitir mais.
Ele percebeu que eu estava saindo do trampo aquela hora e me chamou para ir a sua cabine. Como era navegação, eu aceitei, afinal eu nunca dormia a tarde mesmo.
Finalizei o que tinha que fazer, fui a minha cabine, me preparei, afinal tudo poderia acontecer naquelas poucas horas de pausa que eu teria aquele dia.
Já na cabine do Edson, começamos a conversar, falar sobre tudo e todos, mas ambos sabiam que o objetivo daquele encontro não era esse. As coisas foram fluindo daquele jeito que nem preciso descrever aqui afinal não é conto erótico HAHAHA.
Mas na hora do “vamo vê” toda aquela lembrança veio a tona. A forma que a gente se olhava, se tocava, se acariciava, tudo aquilo explodiu na minha mente e o rosto dele impregnou no meu pensamento, faziam 2 meses que tínhamos nos despedido mas o sentimento que eu tinha pelo Juliano mantinha a mesma intensidade. Estraguei tudo.
Não consegui prosseguir e tivemos que parar ali mesmo. Ambos nus, estendidos na cama, ele sem entender e eu com vergonha de mim mesmo, me sentindo podre e sujo, com as lembranças de nossos encontros, nossas noites, nossos passeios, tudo muito nítido como um filme em resolução FULL HD na minha cabeça.
Depois desse papelão todo, fui pra minha cabine, tomei um bom banho e já fui comer algo, que logo voltaria a trabalhar. Fiquei pensando no que aconteceu durante todo o jantar. Vi o quanto ele estava me fazendo falta. Mas e será que estava sendo igual para ele? Será que ele também estava se privando. Preferi pensar que sim.

Saindo do Crew Mess, encontrei a minha amada HELPER, a avisei que eu já iria pra sessão e que teríamos muito trabalho. Não deu outra. Ela ficou horrorizada com tanta sujeira e “sapataria” que tinha na minha nova sessão. Então nos programamos para fazer A FAXINA nas cabines e entregá-la limpinha no final da semana, pois faltava pouco para a ida a Europa, e segundo informações e bochichos, não iriam todos, então quanto mais trampo eu mostrasse, mais chances de ir ao velho continente eu teria.
Quando acontece de pegarmos uma sessão toda “cagada” como a que foi me entregue, a melhor forma de resolver é ter calma e programar a limpeza de cabines por dia. Digamos que a sessão tem 18 cabines, divida pelo número de dias que restam para acabar o cruzeiro (sem contar com o desembarque/embarque). Se fizer isso logo de início, terá 6 dias para limpeza das cabines, então cada dia da semana você e seu ajudante (helper, pois não tem como fazer faxinão sozinho e ainda entregar todas as cabines no final do dia), no caso seriam 3 por dia. No restante das cabines faz a arrumação de rotina, se seguir exatamente isso no final da semana a sessão estará limpa e será bem mais fácil só manter.
No final da noite estávamos exaustos!!! Como era difícil trabalhar no Deck 2. Eram muitos passageiros, muitas cabines de 4 pessoas, bagagem excessiva que atrapalhavam muito a locomoção dentro do quarto. Fora que a galera chegava caindo e se arrastando pelo corredor, afinal o cruzeiro era open bar e tinha gente que passava o dia inteiro no balcão enchendo o caneco. Coitada da galera do bar. Mas também tinha como usufruir desse benefício dado aos passageiros.
Como a bebida era livre e não tinha como controlar exatamente o que era consumido pelos passageiros, as festas nas cabines da galera do bar era garantida e regada de bebidas de todos os tipos. E lógico que a gente se infiltrava também. Porém algo aconteceu.
Já não bastava o cansaço do dia de navegação, ainda o dia acabou com uma má notícia. Uma infeliz do bar, nova e pior de tudo, BRASILEIRA, caguetou toda a galera do bar que pegava uma bebida ou outra pra fazer “Cabin Party” e isso fez o maior fuzuê dentro do navio. O clima ficou tenso e era só o que se comentava no crew bar aquela no Crew Bar naquele final de domingo.
Uns 10 funcionários do Bar foram acusados pela lazarenta e todos estavam sendo ameaçados de ganhar o sign off justificado.
Eu já estava cansado e ainda aquela notícia pra finalizar o dia foi foda. Tomei um bom banho e fiquei pensando sobre todo aquele domingo longo e conturbado. Eram tantas coisa acontecendo ao mesmo tempo, tantas coisas a fazer e a pensar que era difícil se concentrar em uma só. Mas todo esse pensamento desapareceu assim que deitei. A exaustão fez com que eu apagasse na cama como uma luz se apaga quando desligada: Instantaneamente!

O relógio despertou. Parecia que eu havia tirado um cochilo, rezei para que o relógio estivesse errado, mas a realidade estava ali, estampada naqueles dois ponteiros, puts, hora de trabalhar.
Fui me arrastando até a Oficina para iniciar mais uma jornada. Tudo estava correndo como de costume até que, quando virei as costas para ir a minha sessão o Chef Eldon grita meu nome da sala dele. Pensei: “pronto, fiz cagada” e tentei lembrar de algo que eu tivesse feito, mas não me veio nada em mente.
Fui até a mesa dele e aguardei ele falar. Ele me olhou, olhou para um dos supervisores, me olhou de novo, e disse:

- NADA TICO, HABLAMOS DESPUES!
Pronto. Meu corpo gelou inteiro. “O que será que ele quer falar comigo? E por que decidiu falar só depois?” Eu pensei em dezenas de coisas que poderiam ser o motivo daquele diálogo, mas nenhuma das hipóteses era viável. Me contentei em esperar, morrendo de curiosidade, mas não tinha o que fazer além de esperar.

Fui a minha sessão, me concentrei nas cabines para não ficar pensando a respeito disso, e nem percebi que eu era o único que estava no corredor. Achei estranho, mas continuei, pois os outros camareiros deviam estar dentro das cabines por isso não estava ninguém a minha vista.
Entrei na cabine, sai, peguei as toalhas, voltei ao meu carrinho, nesse meio tempo um grito grave e alto chegou rapidamente aos meus ouvidos.
Era Bucho, o supervisor que não dava suporte nenhum, mas tinha prazer em cobrar e ficar no pé dos camareiros brasileiros.
- VÁ PARA O “MEETING”, ESTÃO TODOS LÁ JÁ!
- Meeting? Que meeting?
- Vamo “omê”, fizeram de última hora...
Disse a Dani Cassoti, uma as únicas que estavam na sessão, assim como eu.
Em passos largos, chegamos ao “meeting”. Havia algo diferente naquela reunião, só estavam os brasileiros. Chief Eldon observou eu e a Cassoti entrar, olhou para o Morazam, como se esperasse um OK do seu braço direito para que começasse a falar. Sinal positivo dado. Ele lançou:

- Sabemos que estão todos com várias cabines e todas lotadas nesse cruzeiro, por isso serei breve e direto. Lembram-se da lista de nomes que vocês, brasileiros, para o TRANSFER pro navio que fará Portugal? Então, recebi hoje pela manhã a resposta a respeito de quem vai.
Virou uma confusão, acho que todo mundo pensou que estava cochichando, mas tanta gente comentando ao mesmo tempo que já estava todo mundo aos berros.
O Eldon apenas parou de falar, e observou o alvoroço com aquela cara de dar medo. A gente percebeu e logo se calou.
- Continuando... Como sabem foi dada uma lista com 13 nomes para transferência, mas já aviso, quem escolhe quem vai para Portugal é a empresa e não eu.
Agora a reação foi contrária, ninguém falou um “A”.  O plano de garantir a ida para a Europa havia ido por água a baixo (bem conveniente para navio). Pois ele pediu voluntários, não tinha falado que teria uma seleção. Como seria se acontecesse de separar nossa galera, a gente se ajudava, a nossa união era o que nos dava força para continuar.
Eldon não deu atenção aos rostos revoltados em sua frente, apenas pegou o papel que estava na mesa, fitou a folha por 10 segundos, voltou a olhar para nós. Deu um sorriso de canto, e disse:
“Eu tenho 4 nomes aqui, que foram os escolhidos por Madrid para a transferência... Os nomes são..”
Todo mundo arregalou o olho com uma ansiedade do tamanho do mar para saber logo aqueles benditos nomes.
“Shiihwi Shihihiwhi”
O rádio chiou. Era uma chamada da recepção pedindo a verificação de uma cabine que estava apresentando problema. Isso atrasou o anuncio dos nomes por mais uns 40 segundos. Um dos 40 segundos mais longos da minha vida...


AEEEEEEEEEW GALERA MAL MESMO POR TA POSTANDO VAGAROSAMENTE AQUI MAS TO FAZENDO O POSSÍVEL.
 ACOMPANHEM, DIVULGUEM E ME COBREM MESMO ISSO AQUI... TO TRABALHANDO COM UM PROJETO PARALELO DE UMA WEBSÉRIE ENTÃO TO ME LASCANDO UM POUCO COM TANTA COISA PRA FAZER... MAS NÃO PARAREI DE ESCREVER AQUI ATÉ QUE EU CONTE TODA MINHA TRAJETÓRIA NESSE LOUCO E IMPREVISÍVEL MUNDO DOS NAVIOS!!! COMENTEM E DEEM SUA OPINIÃO A RESPEITO, ASSIM VOU VENDO QUANTAS PESSOAS JÁ LERAM A ATUALIZAÇÃO E ASSIM POR DIANTE.... UM BJOOOO =)

foto: Um amanhecer inspirador, visto da proa do navio.

12 comentários:

  1. Aaaaaaaaaiiiii... Você mata a gente de curiosidade! rsrsrs...
    Esperando ansiosamente o próximo post!
    bjus
    =D

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Parabéns pelo blog Gutto, estou aplicando pra Petit Office, vc acha mais viável do que pra housekeeper?
    OBS: É uma pena que vc demora tanto pra atualizar, hehehehehe. Entendemos que vc deve ter coisas que consomem mais seu tempo, mas de qualquer forma congratulations.
    cheers!

    ResponderExcluir
  4. Poxa...como pode fazer isso? Me deixar curioso. Começei a ler teu blog 1h e terminei agora, às 5h. Quero saber mais coisas pois fui chamado para trabalhar de Assistant Waiter na Pullmantur e ainda não decidi se tenho coragem ou não de embarcar. Conta mais coisas pra me ajudar...Bjus!

    ResponderExcluir
  5. Ô Guto, dessa vez abandonou mesmo! Pobres de nós, leitores sedentos...

    ResponderExcluir
  6. SAlve salve Guto!!! ... to igual ao victor.. fui chamado e agora to amarelando por "n" fatores.....
    manda mais news pra nós!!!
    parabens pelo seu blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então estamos todos no "mesmo barco", ou melhor, ainda não kkk... Mas tb estou na mesma situação. E por isso fiquei curiosa em saber se o fatores pelos quais estamos "amarelando" são fatores compartilhados. De repente a gente até se ajuda a superar isso, pq penso que todos temos aquela curiosidade/vontade em encarar essa. Bjs.

      Excluir
  7. Não vejo a hora de chegar meu segundo contrato...dessa vez vou pela Pullmantur. Dicas? Vou de Bartender.

    ResponderExcluir
  8. Li teu blog todo de uma vez, na medida do possível, desde que descobri ele sem querer. Estou tentando embarcar e com muitas inseguranças sobre o futuro. Seu blog ajuda muito a me preparar para o que vem por aí. Também seu jeito de escrever é muito divertido. N deixa a gnt na curiosidade não ;D atualiza aew qnd puder, contanto q n abandone please.
    Bjos

    ResponderExcluir
  9. Vida a bordo com jeito de novelão??
    PQ EU Ñ ACHEI ESSE BLOG ANTES?!!!!!

    ResponderExcluir